sexta-feira, 23 de dezembro de 2016

Um açougueiro

     Fomos  hoje  a  um  açougue  nas  proximidades  da casa de minha mãe. Quando entramos no estabelecimento, deparamo-nos com um açougueiro debruçado sobre um enorme dorso de boi, cortando-o com um prazer verdadeiramente erótico. Enquanto esperávamos para fazer o pedido encomendado por minha mãe (um quilo de acém e um quilo de alcatra), ficamos ali observando o trabalho daquele profissional que o desempenhava com verdadeiro amor.
     Caminhando  de  volta  para  casa,  não  resisti  a lhe  perguntar novamente o que deseja ser quando crescer. Com sua camisa do Barcelona escrita Arthur nas costas, você respondeu que deseja ser jogador de futebol até os 32 anos e chefe de cozinha depois dos 32. Seja como que for, um sujeito como seu pai, que enfrenta tantos conflitos com sua profissão e chega a desenvolver três ou quatro diferentes atividades simultaneamente, como parte do precariado que se formou hoje em dia, deseja que você jogue futebol com o élan daquele açougueiro, que crie pratos com a paixão daquele açougueiro.

Nenhum comentário: